Revista Portal Útil

O relacionamento sexual é uma peça fundamental de qualquer relação romântica de sucesso. Entretanto, não é raro que pessoas que são casadas ou que vivem juntas tenham menos sexo ao longo do tempo.

Com o passar dos anos, a frequência do sexo e a maneira como as pessoas se comportam afetuosamente e sexualmente muda. Não há nada de errado ou absurdo nisto, mas quando a frequência das relações diminui tanto a ponto de afetar a relação afetiva, é hora de repensar esta importante conexão. Com isto em mente, br.skokka.com decidiu aprofundar o assunto.

O que este artigo aborda:

Por que há menos relacionamento à medida que a relação avança?
Por que há menos relacionamento à medida que a relação avança?
Pin It

Fatores que podem estar relacionados à diminuição da libido

As distrações criadas pela Internet, muito trabalho – que às vezes acaba sendo levado para casa -, a dificuldade de combinar todas as atividades domésticas, e até mesmo cuidar e educar os filhos – no caso de casais que os tenham. Todas estas podem ser possíveis razões para o declínio do sexo entre casais que já estão juntos há mais tempo.

Além disso, há casais que se deixam levar pela rotina, sempre fazendo as mesmas viagens, assistindo as mesmas séries… e sem inovar na cama. Tudo isso contribui para uma diminuição do desejo, ou para que um dos parceiros procure aquele toque especial que lhes falta em uma das acompanhantes São Paulo.

Há outros fatores, como saúde psicológica, estresse diário, alimentação desequilibrada e má qualidade do sono, que também têm influência direta no desejo e na libido.

O nível de libido é algo que pode variar muito de uma pessoa para outra, e mesmo ao longo do dia, dependendo das características pessoais e/ou hormonais de cada indivíduo, e às vezes até mesmo de fatores condicionantes externos.

Isto é explicado pela química; a maioria de nossas ações, sentimentos e comportamentos são o resultado da explosão das reações bioquímicas que ocorrem em nosso corpo.

Entretanto, isto é algo que parece ser mais comum entre as mulheres do que entre os homens. De acordo com pesquisas, as mulheres experimentam uma diminuição no desejo sexual ao longo de seus relacionamentos. A razão disto pode ser atribuída ao fato de que este desejo mais intenso no início se deve à necessidade de se conectar intimamente com o parceiro, de modo que, com o passar do tempo, ele minimiza.

Outra questão importante é que quanto maior a quantidade de sexo, maior o desejo e, portanto, o oposto também pode ocorrer. Isto é, após um tempo sem fazer sexo, o corpo se acostuma a não fazer sexo, e até se torna “preguiçoso” antes de um novo encontro.

O que fazer quando a frequência sexual diminui? 

Skokka preparou uma lista de ações que certamente podem ajudar:

  • 1.  Planificar o trabalho, mas também o lazer: é muito comum que em relacionamentos longos, os envolvidos trabalhem em seus projetos pessoais ou para o casal, esquecendo que também são necessários momentos de relaxamento, que podem ser um jantar fora, uma sessão de cinema em casa, ou simplesmente não fazer nada juntos, o que ajuda a restabelecer a conexão entre os dois.
  • 2. Ouse experimentar coisas novas: um novo par de lingerie, um novo brinquedo sexual e, por que não, experimentar as tão faladas posições do kamasutra. Tudo funciona para apimentar um pouco a relação!
  • 3. A comunicação é vital: comunicar os gostos e as aversões, não apenas na cama, mas em todos os aspectos da relação, pode ajudar a evitar muitos problemas, inclusive a dor de cabeça de uma diminuição da libido.
  • 4. Mantenha o corpo e a mente em forma: Exercite-se regularmente, cuide de si, medite, faça pilates, yoga…. Essas ações são conhecidas no mundo todo, mas às vezes, na correria da vida cotidiana, as pessoas as deixam de lado. Talvez seja o momento ideal para retomá-las e sentir uma melhoria não apenas física, mas também relacional. 
  • 5. Investigue a personalidade erótica. Conheça a si mesmo: quando alguém não se conhece, é mais difícil cumprir o ponto 3, que é a comunicação. É importante aproveitar os momentos sozinhos, para tocar-se, masturbar-se e explorar as sensações que estas práticas trazem.
  • 6. Rompa com os preconceitos sexuais e mantenha a mente aberta: algumas pessoas dizem que querem experimentar coisas novas, mas têm medo ou vergonha de contar ao parceiro, por se sentirem julgadas ou prejudicadas. Isto acontece muito com o sexo anal, por exemplo, que muitas mulheres têm o fetiche, mas não o fazem porque pensam que serão condenadas socialmente. Então, nada melhor do que conversar com seu parceiro abertamente e, se for um desejo mútuo, por que não tentar?

O sexo faz bem para a saúde, conecta as pessoas e alivia o estresse. Além disso, estudos mostram que casais sexualmente ativos tendem a permanecer juntos por mais tempo. Então, por que não tomar medidas para trazer o desejo de volta ao que era no início?

Artigos relacionados:

Este artigo foi útil?

Agradeçemos o seu feedback.

Redação

A redação da Revista Portal Útil é formada profissionais com vasta experiência em diversos setores de atuação.

whatsapp sharing button
facebook sharing button
pinterest sharing button
twitter sharing button
sharethis sharing button

Pode ser do seu interesse