Revista Portal Útil

A Cultura Maker está revolucionando a maneira como aprendemos e ensinamos. Este movimento, que incentiva a criação, a inovação e a experimentação, está se tornando cada vez mais relevante no campo da educação. 

Ao integrar ferramentas pedagógicas que promovem a aprendizagem ativa, está ocorrendo uma transformação das salas de aula em espaços de inovação e criatividade.

Ela permite que os alunos se tornem protagonistas de seu processo de aprendizagem, utilizando a tecnologia não apenas para consumir conteúdo, mas também para criar e resolver problemas. 

Essa abordagem prática e centrada no aluno tem o potencial de tornar a educação mais significativa, engajadora e eficaz.

O que este artigo aborda:

O que é a cultura maker e como ela age na educação
O que é a cultura maker e como ela age na educação
Pin It

O que é cultura maker?

A Cultura Maker é um movimento contemporâneo que reúne entusiastas de diferentes áreas com um objetivo comum: criar, construir e consertar objetos com as próprias mãos. 

Este movimento é um convite à inovação, incentivando as pessoas a serem mais do que consumidores passivos de tecnologia, mas também criadores e inventores. 

A ideia central é que todos são capazes de produzir, modificar e reparar objetos do cotidiano, utilizando desde tecnologias mais simples até ferramentas digitais avançadas. 

Este movimento promove a aprendizagem através da prática, valorizando o erro como parte do processo de criação. Além disso, encoraja a colaboração e a troca de conhecimentos, fortalecendo comunidades locais e redes de apoio mútuo.

A origem da cultura maker

A origem da Cultura Maker remonta à década de 1960, com a contracultura do “faça você mesmo”. No entanto, foi na década de 2000 que o termo “maker” ganhou força, principalmente com a criação da revista MAKE. 

Esta publicação popularizou o conceito e incentivou uma nova geração de inventores, artistas e empreendedores. 

O movimento se fortaleceu ainda mais com o surgimento dos makerspaces, ambientes colaborativos onde pessoas de diferentes áreas podem compartilhar ferramentas, conhecimentos e ideias. 

O advento de tecnologias acessíveis, como impressoras 3D e kits de eletrônica, também contribuíram para a expansão deste movimento. 

Hoje, este movimento está presente em diversos setores, desde a educação até a indústria, transformando a maneira como criamos e aprendemos.

Princípios e valores da cultura maker

Os princípios e valores da Cultura Maker são fundamentados na ideia do “faça você mesmo”. Contudo, vai além disso, englobando também o “faça juntos”, refletindo a importância da colaboração e do compartilhamento de conhecimentos.

O movimento maker valoriza a curiosidade, a experimentação e a aprendizagem prática. Encoraja a resolução de problemas de maneira criativa e a inovação. 

Um dos princípios fundamentais é a autonomia: a capacidade de criar, modificar e consertar objetos por conta própria. Isso não significa que cada indivíduo precisa ser um especialista em tudo, mas que tem a liberdade e os recursos para aprender e fazer. 

Este movimento também valoriza a sustentabilidade, promovendo a reutilização de materiais e a criação de soluções eficientes.

Por fim, este movimento tem um forte componente de inclusão, buscando tornar a tecnologia e a criação acessíveis a todos, independentemente de idade, gênero, formação ou condição socioeconômica.

A cultura na educação

Este movimento tem um papel significativo na educação, pois propõe uma abordagem de aprendizado ativa e centrada no aluno. Em vez de apenas receber informações, os estudantes são incentivados a criar, experimentar e resolver problemas de maneira prática.

Isso contribui para o desenvolvimento de habilidades como pensamento crítico, criatividade, colaboração e resiliência. 

Além disso, o movimento maker pode tornar a aprendizagem mais significativa e engajadora, pois permite que os alunos apliquem os conceitos teóricos em projetos reais e relevantes. 

A integração deste movimento na educação também pode estimular o interesse pelas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM), pois proporciona uma forma prática e lúdica de explorar esses temas.

Escolas ao redor do mundo já estão implementando makerspaces em suas instalações, oferecendo aos alunos acesso a ferramentas e recursos para inovar, construir e aprender de maneira colaborativa e autônoma.

Exemplos de aplicação da cultura maker na educação

Existem inúmeros exemplos de como a Cultura Maker tem sido aplicada na educação. 

Um deles é a criação de makerspaces em escolas, onde os alunos podem usar ferramentas como impressoras 3D, cortadoras a laser e kits de eletrônica para criar seus próprios projetos. 

Além disso, muitos educadores estão incorporando a filosofia maker em suas salas de aula, incentivando os alunos a aprender fazendo. 

Por exemplo, em vez de ensinar conceitos de física apenas através de livros didáticos, um professor pode desafiar os alunos a construir um carrinho de corrida movido a energia solar. 

Outra aplicação interessante é a realização de feiras maker, onde os alunos podem exibir seus projetos, compartilhar suas ideias e aprender uns com os outros. 

Além de estimular a criatividade e o pensamento crítico, essas atividades também podem ajudar a desenvolver habilidades socioemocionais, como a colaboração, a comunicação e a resiliência.

Conclusão

Em conclusão, a Cultura Maker é um poderoso movimento que está transformando a maneira como aprendemos e criamos. 

Ao promover a experimentação, a colaboração e a aprendizagem prática, ela está ajudando a formar uma nova geração de inventores, problem solvers e pensadores críticos. 

Na educação, este movimento está tornando o aprendizado mais significativo e engajador, permitindo que os alunos apliquem os conceitos teóricos em projetos reais e relevantes. 

Ao mesmo tempo, está estimulando o interesse pelas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, e desenvolvendo habilidades importantes para o século XXI. 

Portanto, não é apenas sobre criar objetos, mas também sobre construir uma sociedade mais inovadora, inclusiva e sustentável.

Artigos relacionados:

Este artigo foi útil?

Agradeçemos o seu feedback.

Redação

A redação da Revista Portal Útil é formada profissionais com vasta experiência em diversos setores de atuação.

whatsapp sharing button
facebook sharing button
pinterest sharing button
twitter sharing button
sharethis sharing button

Pode ser do seu interesse