Revista Portal Útil

Escolher uma corretora de investimentos pode não parecer uma tarefa difícil. Entretanto, é preciso destacar que muitos fatores precisam ser considerados nessa escolha.

Afinal, as corretoras exercem um papel fundamental para quem quer entrar no mercado e começar a dar seus primeiros passos.

Dessa forma, avaliar taxas cobradas, softwares oferecidos e outros aspectos é essencial para que você não tenha surpresas desagradáveis mais à frente.

O que este artigo aborda:

Como escolher a melhor corretora de investimentos: 7 dicas
Como escolher a melhor corretora de investimentos: 7 dicas
Pin It

O que é uma corretora de investimentos?

Para quem não sabe, uma corretora de valores a responsável por intermediar a compra e venda das suas ações. É ela quem disponibilizará o home broker para você acompanhar as cotações e tomar suas decisões.

Dentre os serviços prestados por uma corretora de valores estão a operação em bolsas, a subscrição de emissões de títulos e valores mobiliários, a disponibilização de informações para ajudar os clientes e a administração da carteira de ativos.

Vale dizer que as corretoras são fiscalizadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários), assim como pelo Banco Central do Brasil.

Qual a importância de uma boa corretora nos investimentos?

A escolha da corretora é importante porque é ela quem vai disponibilizar as informações do mercado, fazer a guarda dos seus ativos e dar todo o suporte que você precisa.

Além disso, é comum que algumas corretoras cobrem uma taxa de corretagem, e quando ela é alta, pode comprometer a rentabilidade do seu investimento.

Por essa razão, a escolha certa da corretora é essencial para você encontrar bons ativos no momento de investir e aumentar a sua lucratividade.

Como saber se uma corretora é legítima?

As corretoras de valores são regulamentadas e fiscalizadas. Por isso, todas elas contam com o departamento de compliance. Afinal, elas têm que cumprir normas e processos internos.

Para saber se uma corretora de valores é confiável você pode fazer algumas análises, como por exemplo:

  • Consulta na CVM;
  • Habilitação para operar no Tesouro Direto;
  • Selo CETIP;
  • Certificados da B3.

Consulta na CVM

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) é uma autarquia federal que regula e fiscaliza todos os investimentos feitos no Brasil.

Ela tem por propósito proteger o interesse dos investidores e garantir mais transparência nas transações financeiras. No site, você consegue pesquisar o nome da corretora e saber se ela está autorizada a atuar na área.

Habilitação para operar no Tesouro Direto

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional que tem como propósito financiar a dívida do governo federal, e para isso emite títulos da dívida pública para investidores.

Se a sua intenção é investir nesse tipo de ativo, é preciso ver se a corretora que você está abrindo sua conta está habilitada para negociá-los. No próprio site do Tesouro é possível ver a lista completa.

Selo CETIP

Outro fator a se analisar é se a corretora possui o selo Cetip. Vale dizer que a Cetip é uma instituição que oferece serviços de negociação, liquidação, depósito e registro de ativos.

Ela também atua promovendo a certificação dentro do setor financeiro. E uma das certificações mais conceituadas é o selo Cetip.

Quando uma corretora possui esse selo, isso quer dizer que você terá a garantia de que ela registra e identifica as aplicações sob sua tutela com o CPF e CNPJ do investidor.

Certificados da B3

A B3 conta com a certificação do Programa de Qualidade Operacional (PQO) que avalia e qualifica o serviço oferecido pelas corretoras e bancos.

Atualmente o programa já tem mais de 120 instituições financeiras cadastradas e mais de 12 mil profissionais certificados. Por isso, avaliar se a corretora tem esse certificado também é uma boa garantia de que ela é confiável.

Qual a diferença de investir via corretora e via banco?

Muitos investidores possuem uma grande dúvida do porquê investir por meio de uma corretora e não de um banco, uma vez que ambos oferecem esse serviço.

Vale destacar que os bancos possuem alternativas muito limitadas de investimentos, com desempenho abaixo da média quando comparado com os produtos das corretoras.

Por isso, ao procurar um banco para investir, o gerente indicará alguns produtos mais conservadores, principalmente para os pequenos investidores, deixando para o público “premium” as melhores alternativas.

Já nas corretoras há mais democratização no acesso aos investimentos, e muitas vezes a escolha do ativo é bem simples, e você faz tudo facilmente pelo próprio app.

Diferentes corretoras para diferentes perfis

Outro ponto que você precisa saber antes de escolher uma corretora de valores, é sobre os produtos de investimento que são oferecidos por ela.

Pois, se você tem um perfil um pouco mais conservador, o ideal é encontrar uma corretora que além de atuar na Bolsa ofereça produtos de investimento mais seguros como CDB, LCA, LCI e até mesmo fundos de investimentos conservadores.

Já se você tem um perfil mais arrojado, então pode optar por corretoras que oferecem fundos mais dinâmicos, ou até mesmo um home broker mais completo.

Quais são os custos de uma corretora de valores?

Um dos critérios mais importantes na escolha de uma corretora são as taxas que ela cobra, pois isso impacta diretamente o rendimento do seu investimento.

Existem muitas corretoras que cobram taxa zero de abertura, de corretagem (custódia da conta), para transferência entre contas, para investir no tesouro direto etc.

Entretanto, nem todas elas vão te isentar dessas taxas, por isso é preciso avaliar muito bem antes de decidir. Dentre as principais taxas cobradas por uma corretora estão a taxa de custódia, taxa de corretagem e as taxas da B3.

Vinculações a cartões

Um ponto que é válido destacar é que as corretoras de valores não oferecem os mesmos serviços que os bancos como a emissão de cartões, empréstimos etc.

Entretanto, com a modernização do sistema financeiro, algumas delas passaram a vincular os investimentos a cartões de crédito como a XP Investimentos.

Nesse caso, o valor que você tem investido na corretora é vinculado ao limite do seu cartão de crédito. Dependendo de como você usa o cartão, essa pode ser uma alternativa razoavelmente atraente.

De modo geral, investir através de uma corretora de valores é mais vantajoso que por meio de um banco, mas é necessário avaliar todos esses aspectos para escolher a que melhor atende aos seus anseios.

Artigos relacionados:

Este artigo foi útil?

Agradeçemos o seu feedback.

Redação

A redação da Revista Portal Útil é formada profissionais com vasta experiência em diversos setores de atuação.

whatsapp sharing button
facebook sharing button
pinterest sharing button
twitter sharing button
sharethis sharing button

Pode ser do seu interesse