sexta-feira, 1 de julho de 2022 - 01/07/2022 04:09:28
Revista Portal Útil

O conteúdo "Como funciona o atendimento médico a distância?" foi feito por Marcela Ferreira e distribuído por Revista Portal Útil na categoria Saúde em . Conteúdo atualizado em .


A teleconsulta é uma das frentes da telemedicina, onde o paciente poderá se consultar com um médico da saúde mesmo à distância. Em 2020, quando a pandemia atingiu o seu ápice no mundo, o governo federal liberou realizar esse tipo de atendimento, que até então não era permitido.

Para entender mais sobre o assunto e como funciona o atendimento médico à distância, basta continuar lendo este conteúdo!

O que este artigo aborda:

O que é Teleconsulta?

A liberação da Teleconsulta ocorreu depois do pedido do Conselho Federal de Medicina devido a uma demanda grande de pacientes. A princípio, a teleconsulta foi feita para solucionar quatro problemas:

  • Reduzir o número de atendimentos nos pronto-atendimentos que estavam sobrecarregados;
  • Proteger pacientes com sintomas leves ou que estavam em busca de orientação para que não fosse preciso se deslocar até um pronto-atendimento com alto risco de se contaminar;
  • Preservar a saúde de médicos em grupo de risco, além de possibilitar monitorar os seus pacientes à distância;
  • Permitir que pacientes que moram em áreas remotas com déficit de atendimento médico possam ser atendidos.

No entanto, a teleconsulta obteve maior espaço e adeptos não só aqui no país, mas ao redor do mundo todo. De modo geral, a teleconsulta é a opção de fazer uma consulta médica de maneira remota.

Em outras palavras, é possível atender pacientes através de tecnologias seguras de comunicação online, como videoconferência ou aplicativos de vídeo-chamadas, por meio de computadores, tablets ou smartphones.

Como funciona o atendimento médico a distância?

Como funciona uma teleconsulta?

É possível fazer uma teleconsulta das seguintes formas:

  • Síncrona: a interação é imediata ou a resposta é dada num curto período de tempo. Por exemplo, uma consulta virtual em vídeo com um medico e paciente;
  • Assíncrona: acontece em horários diferentes e não exige interação direta entre o paciente e o médico;
  • Entre médicos: quando um médico busca assistência de um outro médico, como uma segunda opinião no diagnóstico, um medicamento mais experiente, ou também uma orientações sobre algum procedimento. O paciente pode ou não estar presente;
  • Entre o paciente e médico: de forma direta, sem a participação de outro profissional.

Além disso, as consultas à distância podem ser feitas como:

  • Primeiro atendimento;
  • Acompanhamento;
  • Urgência;
  • Supervisão (troca de conhecimento entre os médicos).

E o atendimento é feito desde os cuidados iniciais e enfermagem até diferentes especialidades médicas, por meio de empresas de telemedicina, tais como:

  • Radiologia;
  • Cardiologia;
  • Dermatologia;
  • Pneumologia;
  • Reabilitação;
  • Neurologia;
  • Oftalmologia;
  • Psiquiatria;
  • Entre outras.

Pode fazer a teleconsulta pelo Whatsapp ou Google Meet?

A teleconsulta não é nada como uma chamada de vídeo comum, isso porque, ocorre a troca de dados pessoais e confidenciais. Por essa razão, é preciso que seja feita através de uma plataforma adequada e dentro das regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Uma plataforma de telemedicina adequada garante muitos recursos ao médico, por exemplo:

  • Envio e disponibilização de uma prescrição digital válida em qualquer farmácia;
  • Recurso para o paciente anexar exames;
  • Integração de dados para análise do histórico médico do paciente.

Há certas ferramentas que ainda garantem outros tipos de recursos, como teleinterconsulta. Isso significa que, caso o médico precise de uma segunda opinião, poderá contatar, por videochamada, o médico de outra ou da mesma especialidade.

Ou seja, não é possível fazer uma teleconsulta por WhatsApp ou Google Meet.

Benefícios da teleconsulta

Entre os principais benefícios da teleconsulta, um dos mais notáveis é em relação a expansão dos serviços de saúde para pacientes de regiões geográficas de difícil acesso ou com dificuldades para se locomover.

Além dos diagnósticos mais precisos, tendo em vista que é possível debater sobre os casos com diferentes especialistas. Ainda mais quando o hospital não possui em seu corpo clínico especialistas em cardiologia ou neurologia, por exemplo.

Durante a pandemia do novo coronavírus, a teleconsulta tornou muito mais fácil o acesso dos pacientes a médicos pneumologistas e infectologistas. Tendo em vista que essa tecnologia possibilita que os pacientes se consultem com profissionais de qualquer lugar.

Outras vantagens sobre a teleconsulta estão ligadas à otimização tanto do tempo quanto dos custos para médicos e pacientes. Isso porque, para se consultar, o paciente não precisa se deslocar e seus problemas podem ser solucionados em um tempo mais ágil.

A segurança das informações também é outro ponto que pesa a favor da teleconsulta. Os dados médicos ficam armazenados e são distribuídos de acordo com as normas de segurança e interoperabilidade já estabelecidas para o Brasil, que cobram um nível de privacidade muito mais elevado em comparação com prontuários físicos.

De forma resumida, confira logo abaixo alguns dos principais benefícios:

  • Diminuição de distâncias: mesmo em regiões distantes, o paciente poderá ter acesso a médicos especialistas;
  • Diagnósticos mais precisos: é possível que os médicos obtenham uma segunda opinião e troquem conhecimentos com outros especialistas;
  • Agilidade no tratamento ao paciente;
  • Redução de custos de operação nas clínicas;
  • Segurança da informação: politicas de armazenamento dentro das leis e normas definidas pelo país.

A teleconsulta será permitida após a pandemia?

Não há dúvidas de que a teleconsulta avançou muito após a pandemia de Covid-19, não somente à permissão da teleconsulta, como também por ter acelerado uma série de outros processos tecnológicos na área da saúde.

Segundo uma pesquisa feita pela Associação Médica Brasileira (AMB), cerca de 92,1% dos médicos entrevistados acreditam que a teleconsulta irá fazer parte da prática médica mesmo quando a pandemia acabar.

E mais da metade (59%), afirmou que pretende usar a teleconsulta como um meio de atender os pacientes mesmo após desse período.

O que é necessário para fazer a teleconsulta?

Para poder fazer a teleconsulta, é preciso que a clínica médica tenha um sistema com tecnologia de ponta. Para garantir a segurança de todos os dados repassados entre os profissionais da saúde e entre os médicos e pacientes, além de armazenar esses dados de forma segura.

Quando for procurar por uma plataforma para implementar na clínica, é essencial analisar a experiência da empresa que oferece o serviço, bem como o seu nível de qualidade e confiança.

Conclusão

Viu como a teleconsulta é uma da áreas da medicina muito útil e popular? Graças à essa tecnologia, os pacientes poderão se consultar com médicos em qualquer lugar que estejam!

E não esqueça de compartilhar com os amigos este conteúdo, caso tenha gostado!

Marcela Ferreira

Enfermeira pós graduada com especialização em traumas, urgência e emergência. 12 anos de experiência na área de saúde mental na rede SUS do município de Belo Horizonte. Atuo com criança, adolescentes, adultos e usuários de múltiplas drogas.

1

Pode ser do seu interesse

Como lidar com o estresse e a ansiedade causados pelo isolamento social

Como lidar com o estresse e a ansiedade causados pelo isolamento social

Farm to Face promove o uso de cosmético natural

Farm to Face promove o uso de cosmético natural

Metodologias e o que é a Radiologia Intervencionista

Metodologias e o que é a Radiologia Intervencionista

Entenda tudo sobre os tipos de anticoncepcional masculino

Entenda tudo sobre os tipos de anticoncepcional masculino

O avanço da inteligência artificial na medicina

O avanço da inteligência artificial na medicina

Os três melhores exercícios para ansiedade e depressão

Os três melhores exercícios para ansiedade e depressão